Inovação

. 08 setembro 2012



Primeira Aeronave não Tripulada da Região é Desenvolvida por Pesquisadores da Univasf

Texto: Patrícia Lais
Foto: Gisele Ramos 
Veículo Aeromodelo não Tripulado

 
O uso de tecnologias para monitoramento aéreo tem se tornado cada vez mais comum no mundo, pois possibilita que diversas atividades com finalidade ambiental, civil ou militar sejam desempenhadas com maior eficácia e exatidão. Esse fato levou uma equipe de pesquisadores dos Colegiados de Engenharia de Computação e de Engenharia Mecânica da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) a desenvolver o primeiro veículo aéreo não tripulado (VANT) da Região.

O primeiro voo da aeronave foi realizado no último mês de junho, no bairro Nova Petrolina, na cidade de Petrolina (PE). O projeto de construção do VANT envolveu a participação de cinco pesquisadores, dos quais dois professores e três alunos, levou um ano para ser concluído e foi desenvolvido em duas etapas. 

A primeira delas foi elaborar a estrutura física do veículo, processo realizado pelos alunos Rodrigo Bertora e Luiz Gustavo Gonzaga, sob a orientação do professor José Bismark, do Colegiado de Engenharia Mecânica. Já os sistemas de controle da aeronave e de aquisição de dados foram desenvolvidos como Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) pelo estudante de Engenharia de Computação Diego Lapa, orientado pelo professor Jadsonlee Sá.

O objetivo inicial era construir um veículo aéreo capaz de colher dados por meio de um sistema embarcado em tempo real. Esse sistema permite uma comunicação sem fio entre um operador que, no solo, envia comandos através de um controle remoto e o VANT que, por sua vez, carrega internamente um chip acoplado a um rádio, responsável pelo processamento das informações. 


Diego Lapa, estudante de Engenharia de Computação, 
desenvolveu os sistemas de controle e aquisição de dados no TCC 
(Foto: arquivo pessoal)
De acordo com os pesquisadores, esse tipo de tecnologia permite que diversas ações, como medição de temperatura, filmagem e varredura das margens de rios, sejam realizadas através de dados coletados pelo sistema instalado dentro do veículo. “Espero que o projeto possa ser utilizado na telemetria das atividades agrícolas, para levantamentos topográficos e como instrumento de aquisição de dados”, disse ao MultiCiência o estudante Diego Lapa, que começou a fazer o TCC em agosto do ano passado e hoje estagia numa empresa de engenharia  de software, no Rio de Janeiro.


José Bismark é professor de Engenharia Mecânica 
e um dos orientadores do projeto





O projeto que resultou na estrutura física do VANT foi financiado pela Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe) e custou cerca de R$ 2,5 mil. Para o professor José Bismark, esse tipo de tecnologia é promissor para a Região e o objetivo agora é desenvolver uma plataforma de voo coordenada por um GPS. “A relevância deste projeto para o Vale do São Francisco é, sobretudo, aplicações agrícolas: monitoramento aéreo de rebanhos, plantações, queimadas, áreas degradas. Além disso, pode também vir a ser utilizado para aplicação de defensivos agrícolas, uma linha que vem ganhando força. Atividades de monitoramento de tráfego, aerofotografias e segurança pública são outras aplicações”, comentou o professor.
 
Já o sistema interno da aeronave, segundo Jadsonlee Sá, é composto por chips e placas de processamento voltadas para aplicações específicas como, por exemplo, comandos de direcionamento e velocidade. Os chips carregam informações programadas por um operador, que recebe os dados coletados ao mesmo tempo em que o veículo está no ar.


Jadsonlee Sá é professor de Engenharia de Computação 
e um dos orientadores do projeto
O VANT é abastecido por bio ethanol e, por questões de segurança, teve sua autonomia de voo limitada a 20 minutos, tempo suficiente para realização de testes. No entanto, essa autonomia pode aumentar de acordo com a quantidade de combustível abastecida no veículo. Também é possível ampliar seu tempo de voo com o uso de motores elétricos auxiliares e painéis solares para recarga de bateria. “Enquanto houver sol, os painéis captam a energia dos raios solares e a transformam em carga para a bateria”, explicou Sá. 
 
Para os pesquisadores, é importante aplicar a tecnologia desenvolvida na universidade em projetos relevantes para o crescimento da região. E a expectativa da equipe é que o empresariado do Vale do São Francisco se interesse por este trabalho e valorize a pesquisa realizada aqui. “Espero que os empresários da região percebam o potencial que temos para desenvolver tecnologias que podem ajudar o desenvolvimento local”, afirmou o estudante Diego Lapa, a respeito da importância do trabalho.